CEM FLORES

QUE CEM FLORES DESABROCHEM! QUE CEM ESCOLAS RIVALIZEM!

Conjuntura, Internacional

Carta de um suicídio

Abaixo podemos ler a íntegra da carta de Dimitri Christoulas, um aposentado grego de 77 anos que pôs fim a sua vida de uma maneira trágica na praça Syntagma, dia 04/04/2012 como última tentativa de protesto contra aquilo que (…) aniquilou todas as minhas possibilidades de sobrevivência.

(…) a minha idade avançada não me permite reagir de outra forma (…)

Não concordamos que essa seja a melhor forma de luta, mas entendemos que quando não existe um partido revolucionário que guie os explorados em sua luta munidos pela ciência revolucionária, que esteja profundamente integrado a vida de seu povo, a classe operária e seus aliados lutam às cegas.

Carta de Suicídio de Dimitri Christoulas

O governo de Tsolakoglou* aniquilou todas as minhas possibilidades de sobrevivência, que se baseavam numa pensão bastante digna que eu tinha pago por minha conta, sem nenhuma ajuda do estado, durante 35 anos.

Como a minha idade avançada não me permite reagir doutra forma (ainda que, se um compatriota grego pegasse numa kalashnikov, eu o apoiasse), não vejo outra solução além de pôr termo à vida desta maneira digna, para não ter que acabar à procura de alimentos nos container de lixo para sobreviver.

Acredito que os jovens sem futuro pegarão um dia em armas e irão pendurar de cabeça para baixo os traidores deste país na praça Syntagma como os italianos fizeram com Mussolini em 1945.

*Georgios Tsolakoglou foi o primeiro-ministro do governo colaboracionista que governou a Grécia durante a ocupação nazista.

Abaixo, a foto de Mussolini e seus próximos, para sbermos, em imagem, do que Dimitri estava falando.

 

clip_image002_thumb[1]O original da tradução encontra-se em:
http://thoughloversbelostloveshallnot.blogspot.com.br/2012/04/carta-de-suicidio-de-dimitri.html

- 08/04/2012